A sério que se foram meter com o Poe?

Há certas coisas de que me sinto dona e senhora. Não são realmente minhas mas vivo na ilusão de que são e sinto-me ofendida quando alguém lhes põe a pata em cima e as lança nas bocas do povo, como pérolas a porcos.
Uma canção obscura que descobri salta de repente para um anúncio de automóvel ou, ainda pior, é transformada em batida para ginásios. Obras literárias da minha mesa de cabeceira são adaptadas para filme e as pessoas falam delas no autocarro como se as conhecessem, quando na realidade não fazem ideia que o casting está todo errado. Aldeias de pedra perdidas nas serras aparecem no jornal da noite e eu resmungo, resmungo, iludida proprietária de cascatas e trilhos já não secretos.
E agora o Edgar Allan Poe. O mestre.
O homem está na moda, ou quê? Em 2012 já tinha havido este filme de que não estou certa de ter gostado, mesmo tendo para lá o John Cusack, e que, de resto, já nem me lembro assim tão bem porque se mistura na minha cabeça com este livro, também lido recentemente.
Meus amigos fazedores de séries, não basta porem o Kevin Bacon a citar Annabel Lee e escrever “Nevermore” a sangue na parede (apesar da coisa ter resultado bem para mim, não nego…). Esforcem-se mesmo, pá. Leiam o material original e à noite, de preferência. Adoptem um passaroco rouco. Enlouqueçam. E por favor, convençam-me que têm aqui uma história capaz de ser apreciada pelo senhor sem o qual eu não seria eu.

 

6 comments

  1. leididi

    oh pá oh pá oh pá: essa série é óptima, man. o gajo mau é incrível e mete medo como tudo. o bacon é que está mt magrinho, coitadinho. Tu já viste quantos episódios, vamos lá a saber?

    • Alexandra

      UM!
      Achei o Bacon óptimo, parece que não fica velho o raio do homem, mas sim, perdeu ali parte do maxilar. A mim é ele que me mete medo, tive um prof muito mau igualzinho, mas adoro-o!
      Fiquei com muito medo de me desapontar, como já tem acontecido, porque o primeiro foi qualquer coisa… Achei muito bem pensado. Menos a treta do nome do romance do gajo “Gothic sea”, que treta…
      Mas se já viste mais e continuas a gostar, não está tudo perdido.

  2. leididi

    Mas o romance é suposto ser mau. Por isso é que não vendeu nada e por isso é que o homem, enfim, se passou. ahah. A sério, vê que é nice. Mas eu gosto de crimes e investigações e coisas. Do Poe gosto mas tenho um bocadinho de medo. :D

  3. R. del Piño

    Jesus, terei descoberto uma aficionada de Poe? E a parecer maior do que eu? Eu aaaaaaaaaaaaaaaamo o senhor, mas nunca terei dito que sem ele não era eu. Mesmo assim tenho-lhe um enorme apreço, e gostava de escrever sobre o obscuro como ele. Quando dava aulas passava semanas em análises das suas short stories, e os meus alunos indagavam se eu era louca (ou quê?) por vibrar com aquilo que eles consideravam “um bocado chato e mórbido ao mesmo tempo, stôra”. :-D

    • Alexandra

      Aí é que está, no meio daquilo tudo está a faltar a mística toda. Não é por enfiarem uma máscara de Poe num gajo que o conseguem ter ali presente. Vi um cheirinho disso no episódio em que o Bacon acaba vendado no escuro na cozinha da irmã.
      Esta muito bom para série criminal, mas o tema continua quase ausente, quanto a mim.

Post a comment

You may use the following HTML:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>