Admiráveis amigos mais novos

Os amigos mais novos são admiráveis. Não têm medo de grande coisa e têm a certeza que nasceram para a fazer: essa grande coisa de que não têm medo. Acham que somos iguais a eles e deixamo-los pensar que sim, para não ficarem tristes.

Depois servem-nos tarte de amêndoa nas suas periclitantes mansardas, encavalitadas numa colina de estendais e sardinheiras, de olhos postos no Carmo e também no Castelo. Fazem-nos lamentar o nosso lugar de garagem com listas amarelas na parede, no nosso prédio do subúrbio. Falam-nos da ópera a que foram ontem, dos livros de BD autografados que compraram, das bandas novas que descobriram e de como até gostaram do último do Woody Allen.

Os amigos mais novos são admiráveis. Acham que somos iguais a eles e deixamo-nos pensar que sim, para não ficarmos tristes.

———

Também admirável é o Nick Gentry.
Se tiverem disquetes que não usem (passe o pleonasmo, ahahah.) mandem-lhe que ele agradece.

8 comments
  1. Eu confesso que já tive uns amigos com quem me divertia a fazer isso de não os deixar tristes. Mas depois a dada altura dei por mim a pensar sobre o tempo que perdia nessas amizades vazias e olha, deixei-os ficar tristes.

    1. :) (a coçar a cabeça, confusa)
      OH! Mas não é de todo esse o caso aqui. Se este texto era uma crítica ela destinava-se a mim e ao meu sofazinho e aos meus fins de semana sempre iguais. Esta é uma generation gap proveitosa e que gosto muito.
      No resto, tens razão. Se mal temos tempos para os amigos verdadeiros…

      1. Cada vez me custa mais fazer amigos novos. Também não admira, acho que já não tenho idade, tempo e espaço para isso. Mas sempre pensei que os amigos, todos, antigos e novos, são todos eles muito diferentes de mim.
        A tua escrita é sempre sedutora, embora por vezes um tanto hermética :)

        1. Estes são amigos mais novos em idade, mas não exactamente uma amizade recente. Também ando um pouco cansada do investimento que é preciso fazer quando se conhecem potenciais novos amigos. É como tu dizes, custa. Se acontecer aconteceu, se não, azar.

          A escrita às vezes só me sai hermética (adoro que tenhas dito isso). Muitos anos a escrever de mim para mim. É chato porque assim nunca hei-de chegar aos 15 mil cuscos aqui no sítio, eheheh.

  2. Sai mais um cusco que adora a tua escrita hermética. :)
    Fazer novos amigos é difícil, mas mantê-los é ainda mais. Esses novos até parecem fixes. Nas suas casas no centro de Lisboa :)

    1. :)
      Quase no Rossio! Dá para acreditar?! Fixes é pouco.

  3. Depois de ver a imagem “deu-se-me” vontade de ir ao sotão procurar as minhas disquetes de 8 polegadas () e fazer o mesmo. Tenho uma parede lá em casa que está mesmo a precisar de ser animada

    1. Força! Depois quero ver… Isso depois da tua passagem pela capela Sistina até te corre melhor. Não te esqueças que o mais importante é altar-mor!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.