Duas rosas e uma caveira

Falámos de riscos e ele prometeu-me um. Os homens do norte cumprem sempre o que prometem, parece. E fazem acompanhar-se de flores. Essa coisa do cavalheirismo estar morto deve ser só de Coimbra para baixo.

Muchas gracias!

(agradecimento espanhol com sotaque mexicano, Du, porque o “risquinho” tem qualquer coisa de Dia de Los Muertos)

17 comments
  1. está o sonho, há que dar o devido valor :)
    chapeau!!

    1. Bem melhor do que eu faria. Sinto-me envergonhada.

  2. tenho um fraquinho pelas caveiras do dia de los muertos, confesso :)

    1. ora vês como te compreendo? ;)

      1. também gostas de kabukis?

        1. kabukis? Só conheço um jogo infantil que o meu irmão tinha, inspirado no teatro japonês, com máscaras horrendas, que era suposto fazer mímica. Não é isso, não?

          1. é isso é :)
            são máscaras do teatro japonês. mas não são todas horríveis. essas são as hannya e shikami, sobretudo (demónios e outras criaturas maléficas).
            a nível de desenho e tatuagem são muito giras.

          2. Vou googlar que não conheço. Aquelas eram máscaras de animais. E um velhinho muito feio, parece-me. Não os tatuava em lado nenhum!

  3. Olha que de Coimbra para baixo ainda há cavalheiros, ouviste? :)

    1. Tu incluído, no doubt! ;)

  4. Poça a ver se começo a fazer umas viagens de Coimbra para cima então!

    1. Recomendo! Eu já importei um. Artigo de categoria.

    1. Bem giro. Fizeste tu ou fizeste em ti?

      1. Feito em mim, pela minha ‘better-half’ :)

  5. Também tive um importado dos arredores de coimbra! Foi, de facto, muito agradável; até o término foi harmonioso, hehe.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.