Foge-me o pé para o chinelo

Ah, pois foge. E de que maneira. Se pudesse vivia o ano todo em chinelos, com os dedos de fora, a apanhar ar. Sem bolhas nem apertões, sem dores nem desconforto. Liberdade é uma tira de borracha enfiada entre o dedão grande e o outro mais comprido. Uma ode ao cauchu, já.
Com os chinelos certos já escalei montanhas, não muito altas, e desci a grutas, não muito fundas. Com os chinelos certos, fiz corridas, joguei à apanhada e atravessei extensões de dunas escaldantes. Lagartos fugiram de medo à minha passagem. Alforrecas também, calculo eu.
A revelação: os chinelos certos não são as Havaianas. Lamento. Como é se que consegue andar a direito com aquilo é coisa que me faz espécie. Eu experimento-as todos os Verões. São giras, pois são e faça-se justiça ao Adhemas, que me vende a ideia num segundo, mas a excitação de ver um cartaz do rapaz não se compara com o medinho que tenho de ficar descalça a qualquer momento. São chinelos de esplanada, de caipirinha, de páreo e pulseirinhas. Sou grande demais para aquilo. E depois, sabem aqueles sonhos “fui para o trabalho nua”? Eu tenho a versão “fui descalça” (traumas de quem calça um número absurdo). Havaianas, não, obrigadinha.
Curiosamente foi durante um pesadelo-real desses que encontrei os chinelos certos. Ele há coisas. Rebentaram duas tiras das minhas sandálias à porta de uma Sport Zone. Fiquei descalça, literalmente: não conseguia dar três passos, estava calor, todos os sapatos de senhora das redondezas acabavam no 39. Resignei-me aos chinelos de homem. The Story of my life. Topei com uns Lightning Bolt jeitosos, verde tropa, estampados a tipografia, uma maravilha que dá com tudo. Nunca mais os larguei, aos chinelos certos. Os rapazes do surf é que a sabem toda.
Ontem fiz as contas. Já os tinha nas areias de Doñana, no sal do Mar Morto, na descida para Cala Pilar, nas rochas das fragas de São Simão. Os chinelos certos aguentaram seis anos de uso abusivo! Seis anos. Uma ode à Lightning Bolt, já.
Ainda gosto muito deles, mas estão a ficar feiotes. E chiam quando ando. Acho que o sétimo Verão o vão passar entre portas.
E pronto, foi a ode aos meus chinelos.

17 comments
  1. Nunca escalei montanhas, mas já estive na fila da frente de um concerto de Chemical Brothers de havaianas nos pés.. provavelmente das coisas mais estúpidas que fiz nos últimos anos :D

    1. Ui, que medo! Já estive de sandálias uma vez e foi mau. Para concertos levo sempre botas – e não é para andar ao biqueiro!! :P

  2. Também tinha uns que comprei em Lagos que duraram como as Duracell.
    Um conselho Aexandra: não uses muito a palavra ode, ou alguém maldoso (que não eu, é claro) pode deduzir que te falta uma letra no teclado, e que um ode é uma espécie de um like
    (nunca percebi como é que alguém se lembrou de incluir essa palavra tão dada a ambiguidades no nosso léxico)

    1. Tu é que és maldoso, tu é que és maldoso… :P Nunca iria pensar numa coisa dessas! Então, uma ode, é uma ode… preferias que dissesse “canção”? Não é tão épico…
      :P

      1. Por acaso a coisa nem foi bem explicada, não devia ter posto que é uma espécie de like, mas sim uma espécie de ike, como aquelas pessoas que não conseguem dizer uma letra :)

        1. ahahahah! (por algum motivo obscuro isso do ike fez-me pensar logo na Tina Turner)

  3. E a tortura que é voltar a enfiar os pés em coisas fechadas, lá para setembro? Quase me apetece chorar.
    Os meus chinelos perfeitos são as havaianas, já agora. Percebo essa sensação de fragilidade, mas acho que é mais isso – sensação. Tenho umas com 9 anos, outras com quase 8. Não estão lindas, verdade. Mas ainda estão perfeitamente usáveis.

    1. Não é a fragilidade, Mariana, percebo que também são resistentes (e é bom que seja, àquele preço). Eu devo ter pés de gajo mesmo, parece que aquilo não me assenta bem… escorrega por todos os lados!

  4. Pode dizer-se que os teus chinelos esgotaram as 7 vidas….

    Quanto a mim, tenho uma havaianas há 6 anos e estão para durar :O Mas diga-se de passagem que não sou muito menina de chinelo, acho que é uma coisa complicada de se usar, apesar da sua simplicidade…para dizer a verdade não há sapato que me valha no Verão, eu gosto mesmo é de andar de botas, essas sim não magoam e certamente não vão a lado nenhum que o meu pé não vá!

    1. Já lá vai o tempo em que usava botas o Verão todo. Até a casamento fui de botas da tropa. Felizmente também já me passou, que sou pessoa para ter muito calor nos pés.

  5. o link não funciona!!

    1. Sorry, vou arranjar.

  6. Em férias somos grandes amigos, mas eles sabem o lugar deles e eu sei o meu. Que é precisamente ao lado de um tipo que, aproximadamente entre Junho e Outubro vai de chinelito para o trabalho.

    E o que podia ser um sonho, rapidamente se pode transformar num pesadelo…

    1. Também me dava a esse luxo, que é mesmo luxo, até que me apareceu uma reunião surpresa num edifício todo pipi nas Amoreiras. O meu boss dizia que era cool, que estavamos ali a representar a malta descontraída de perto da praia, mas eu estava para morrer naquele elevador cheios de stilettos.

  7. Sou pelo chinelo e pé descascado. Aliás, eu era boa para ir viver para um país tropical. Nunca me deu para Havaianas, prefiro as que têm a base em palhinha. Sim, sim, eu gosto de ter de comprar umas todos os anos (not) mas como as acho confortáveis, faço esse sacrificio.

    1. Já tive umas, mas escorregavam um bocado. Sou esquisita, eu sei.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.