Não me envergonha por aí além… #2

… reler de fio a pavio, sempre que estou preocupada, irritada ou deprimida, o livro “O Vale dos Cavalos”, da Jean, M. Auel. Tenho uma edição igual a esta, tão velha, tão velha que já se está desfazer e tem aquele cheiro bom a livro senil.

Pouca coisa há mais reconfortante, quando a vida nos corre menos bem, do que relembrar a maneira correcta de esfolar um bisonte, de escolher uma caverna espaçosa e arejada ou de curar uma ferida infectada com folhas de bardana e chá de salgueiro. Além disso, a jeitosa da foto consegue ser uma verdadeira fashionista da Idade do Gelo. Uma pessoa aqui cheia de dificuldades em entrar num cabeleireiro e ela, envolta em peles de lobo, a lavar alegremente o cabelo com areia e a penteá-lo com flores de cardo.

E já vos falei das cenas de sexo?

21 comments
  1. convenceste-me com as cenas à bear grylls, nem precisavas ter falado nas outras cenas.

    btw, és capaz de ver um risco em breve ;)

    1. (substituição de jogar, retira “outras cenas” no fim da 1ª frase e substitui por “imoralidades”. é cansaço)

    2. O quê? Também és daqueles que alinhava num fim de semana de sobrevivência no mato, sem lancheira nem saco cama?
      Com imoralidades é sempre melhor! (esta parte não se refere ao fim de semana :))

    3. e estou ansiosa pelo risquinho!

      1. tomas-me por algum urbano atadinho? =D

        tenho uma costela de mato. o que explica que, qual rambo, em paintball no bosque tenha assassinado sozinho toda a equipa adversária e a última desgraçada (sim, era mulher) com 2 tiros na cabeça.

        1. Tens mais sorte que eu que não aviei ninguém mas fiquei com uma belíssima nódoa negra à retaguarda.

  2. Anda aí tanta blogueira a fingir que sabe cozinhar, mas duvido que saiba esfolar um bisonte, Alexandra estou contigo!

    1. Só nos falta um bisonte para praticar! E uma faquinha de silex, já agora.

  3. Já não esfolo um bisonte há algum tempo, há quase tanto tempo como não esfolo um escuteiro.
    Os primeiros andam mais raros, os segundos mais rápidos.

    1. Trocava o desaparecimento dos primeiros pela extinção dos segundos. Mas isso sou eu que tenho maus fígados.

  4. Era por aí que devias ter começado! Quem é que quer saber de bisontes, quando há uns turistas tão jeitosos para esfolar?

    1. Mas queres que te empreste o livro ou quê? ;)

  5. Estou nessa de ir para o mato só com um canivete. Ou vá, com uma mochila.
    Fiz uma aula de Bootcamp e estive uns dias na Ásia. Conta como experiência? Julgo que nem o Rambo tenha feito tal coisa.

    Ah, e não fiz imoralidades no Oriente. Estava com esperança de fazê-las no mato.

    1. Ah… as ideias que me dás… Podíamos fazer um survivor de bloggers, todos perdidos ali na mata de Benfica, disfarçados de pessoas normais, a matar-nos uns aos outros para sobreviver. Alguma vez viste o Battle Royal? Ía ser assim. Com imensa imoralidade.

  6. Assim, de costas, parece mesmo a tetravó da Sonja, a Guerreira. :)

    Por outro lado parece um Manual de sobrevivência. Nunca se sabe quando vamos precisar de esfolar um bichano qualquer.

    1. Manual de sobrevivência mesmo. Quando o mundo acabar levo-o comigo para os dias seguintes. Assim não há perigo de, na confusão, me esquecer do que era um clitóris. E os bichanos, claro.

  7. E se há coisa que eu aprecio é um belo bisonte estufado no forno. Da maneira como anda dificil a vida, será útil saber a maneira correcta de o esfolar, não vá dar-se o “feliz” acaso de atropelar algum no caminho para casa.

    1. Hás-de dizer-me onde moras. Território de caça fabuloso esse, onde bovinos quase mitológicos se precipitam para debaixo dos carros!

  8. Estava a brincar contigo, não te aborreças. Contudo lá para os lados de Yellowstone é preciso ter cuidado. Nunca se sabe.

    1. aborrecer? Eu estava era com inveja!
      Ah, Yellowstone… eu já ía.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.