Pelas bruxas deste mundo!

Eu sou pelas bruxas das histórias infantis.
Não há criatura mais injustiçada, mais incompreendida e pouco estudada. Por exemplo, já alguém tentou realmente perceber porque é que as bruxas se vestem sempre tão mal? Porque é que não fazem um feitiço para darem cabo daquelas verrugas, dos narigões e dos pêlos no queixo? E porquê aquela fixação maluca em criancinhas? Bruxa que é bruxa, anda constantemente atrás de criancinhas, não sei se já repararam. Ou bem que as querem comer, ou bem que as querem trancar numa torre… que coisa. Mas já alguém seguiu esta temática com atenção? Há aqui muito trabalho de análise a ser feito, infelizmente, agora não tenho tempo, por isso fiquemo-nos pela costumeira parvoíce.

Não sabendo nós o suficiente sobre bruxas não é justo enfiá-las todas no mesmo saco e a atirá-las ao mar para ver se flutuam, só porque três ou quatro se portaram mal. (Rumpelstiltskin, Senhora Gothel, Malévola, bruxa da casinha de chocolate, isto é com vocês, seus malandrecos).
De resto, porque é que achamos que temos sequer o direito de opinar sobre a vida das bruxas? E se elas cobiçarem as crianças dos outros porque não podem elas próprias tê-las? E se houver uma maldição de esterilidade sobre todas as bruxas de todos os tempos? E se forem todas tremendamente infelizes e incompletas sem crianças?
Eu tenho para mim que as bruxas querem criancinhas porque deve ser aborrecido morar em solidão no meio daqueles bosques e castelos isolados. E devem ter ouvido dizer que uma criança enche a casa. De risos, de amor, de patifarias (e se as bruxas gostam de patifarias!). Também devem saber que uma criança nos muda a vida, que ao pé de uma tudo fica melhor, mais divertido, mais emocionante. Quem é que pode culpar as bruxas por quererem assim tanto ter crianças? Nós queremo-las.
Há ainda outra questão importantíssima a considerar. É assim tão mau para uma criança ser educada por uma bruxa? Não me parece. Olhem o Hansel e a Gretel. Tirando aquele boato maldoso do rapaz ser posto na engorda para servir de jantar (isto já aconteceu há muito tempo e quem conta um conto acrescenta-lhe um ponto), viver numa casinha de chocolate não é tão melhor que ser abandonado na floresta pelo próprio pai? Aquela bruxa merecia um prémio, senhores! E a Rapunzel? Vocês sabem quanto dinheiro é que aquela estremosa bruxa empatou em sérum contra pontas espigadas? E como lhe custava subir àquela torre todos os dias? Nem vos vou contar as macacadas que o diabrete do Rumpelstilskin fazia para a miúda dele comer a sopa.
E se, por um acaso remoto, estas crianças crescerem em amor de bruxa e manifestarem interesse em serem um dia, também elas, bruxas, diabretes, chocolateiras, carcereiras de miúdas louras, ONDE RAIOS É QUE ESTÁ O MAL? Bem mais vergonhoso era se quisessem ser cantores pimba, dirigentes desportivos ou apresentadores de programas da manhã.

Inimigos das bruxas deste mundo, tenho aqui três dedinhos em formação para vos saudar.
Uma boa semana para todos os outros!

23 comments
  1. Acuso-me: eu já fui uma bruxa e daquelas mesmo más, mas agora deixei-me dessas coisas :)

    (e sempre te digo que ler as tuas considerações sobre bruxas é uma excelente companhia para a minha marmita do almoço)

    1. Bruxas e almoço é uma combinação gourmet como poucas.

      1. nem tinha visto esta tua resposta haha, pois é, é pena eu já não ter vontade de reler as brumas de avalon, de que gostava muito há anos

    1. Obrigada pela parte do Great Minds, ehehe. Também gosto muito da Bruxa da Branca de Neve.

  2. Eu gosto mais das feiticeiras, como a Maga Patológica!

    1. Também serve! (eu cresci a achar que era “Patajólica”, por isso não a gramo assim muito. O nome dela traiu-me)

  3. Oh, não posso concordar! Eu sou pelas Fadas!
    Ser Fada é do melhor que há: salvas a criancinha dos apuros, fazes-lhe as vontades todas, és tipo a “tia porreira”, mas não crias a criancinha (nesse momento, bates a retirada) – a bruxa que a crie!
    Ahahahaha —> riso de fada, daqueles que andam assustadoramente perto do “riso de bruxa”…

    1. TAambém gosto de fadas, mas é verdade que elas têm essa coisa de madrinhas que tem muito menos piada que raptar crianças.

  4. alexandra, a grande. champion of the underdogs.

    opa, fizeram uma análise séria às aventuras do tintim e concluíram que a relação entre ele o cão traduziam uma homossexualidade reprimida do criador dos livros. não sei se será boa ideia ir por aí com as bruxas.

    1. O cão chama-se Milou, need I to say more?

      :)

      1. eu sei, eu sei. ainda tenho a colecção para lá perdida.

  5. Toda a gente sabe que as bruxas foram as precursoras do tuning, quitando vassouras como ninguém. E isso, mais do que raptar criancinhas e fazer tudo e um par de botas com sapos e afins, é um legado de impor respeito…

    1. Voldemort? És tu?

      1. Valdemar, para os amigos.

  6. as vergonhas que me fazes passar, agora por tua causa o meu patife privativo anda a rondar-me o blog a estragar a minha imagem, a obrigar-me a fazer declarações de amor . Não se faz. Já não basta ele falar-me das pouca-vergonhices que a Yngrid ensina ao Jon (a frase preferida dele agora é You Know nothing jon snow), ainda me faz corar durante hora de expediente. E a culpa é tua!
    :D

    1. VÊs? Eu adoro provocar esse efeito nas pessoas! :) G’ANDA PATIFE!

  7. esquece, a gaja chama-se ygritte (isto é o meu bloqueio sobre gajas em quem ele pensa, sorry)

    1. eu percebi logo, aliás, nem li Yngrid da primeira vez, tal a sugestão!

      1. sim, tb não achei que precisasses de esclarecimento quanto ao nome da moça, mas quis clarificar a bem dos que não são doentes do GoT (atenção, eu gosto dessa doença, bem melhor que ser doente do benfica – e já agora, do porto ou do sporting ou beira mar ou outros quaisquer- , livra!)

  8. Uma temática muito interessante, mais a mais vindo de quem rói as canetas. Mas eu si bem que querias era chegar à vertente religiosa e atacar os senhores padres, porque se as bruxas comem (ou querem comer) criancinhas, também há senhores padres que o fazem (ou querem fazer), e são muito bem vistos na sua paróquia (pelo menos até se saber), portanto não pode ser pecado, e por aí fora….

    1. Eu roo canetas… e crianças também! Adoro dar-lhes beijinhos canibais!
      (agora o resto, é todo um outro post)

  9. Ah… eu sou A bruxa… sou a cobra cuspideira… até os ciganos antes de entrarem na Minha Guerra perguntam se lá está “aquela que é um molho de Má”… apesar de pesada, sou levezinha… salto de nenúfar em nenúfar qual popota, e a malta só dá por mim quando estou pronta para dar o bote… Gosto de bruxas, pena que ainda não há vassouras XL, e que as voltas da língua tenham tornado célebre a famigerada “You Know nothing Jon Snow”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.