Recuperação pós-parto II

Mas o que eu precisava mesmo de estar a fazer era uma coisa assim*:

traviesso

Não há como um trekking de Inverno para aclarar as ideias, limpar os pulmões e acordar os músculos adormecidos. É esperar que um certo bebé caiba na cadeira de pôr às costas…

*Plataforma de El Traviesso, Sierra de Candelario, Castilla e Léon
7 comments
  1. oh, não deixas de me surpreender… que virá a seguir? ginástica acrobática já está, escalar montanhas também (ou climbing, para usar a neo-linguagem)….

    sobre o teu
    http://www.alexandraagrande.com/ainda-no-topico-da-vergonha/
    big :D :D :D

    eu sofro do problema oposto: cabelo muito grosso (e o meu é castanho escuro) , toda a vida quis ter cabelo fino para poder fazer caracóis e penteados fixes ;)
    de qualquer modo, da próxima que quisermos enfrentar estas bullies da sociedade (as que enumeras no teu post e que eu subscrevo inteiramente) podemos sempre marcar um “date” porque duas de nós sempre têm mais força :) (desta última vez por acaso ia acompanhada de uma colega caridosa aqui da empresa que se ofereceu para me embalar o menino enquanto eu me sujeitei às mãos da cabeleireira e da esteticista)

    1. Não me dou com pessoas de cabelo grosso, fazem-me ficar com uma certa coloração verde que não me favorece, senão era capaz de topar esse “date” estético… :P
      Eu estou a aproveitar o primeiro sono da noite, que é o maior e o mais jeitoso, para limar as unhas, pôr cremes e cortar pontinhas espigadas. E vamos aguentando assim por uns tempos…

    2. Jetzt soll die historische Chance, die e-Autos für eine Beruhigung der Wohngebiete bieten, durch überflüssige, künstlich herbeigeführte, und sogar verordnete Lärmbelästigung verspielt werden?Als gäbe es noch keine ausreichende Lärmbelastung (und LÃug¤belästigmnr) der Menschen in den städtischen Wohngebieten?Nee – sag’ mir, dass das nicht wahr ist.

  2. Uma das coisas que ainda não consegui implementar: fazer uma caminhada com o puto, o que contraria aquela máxima de quem sai aos seus não degenera. Mas continuo a insistir. Actualmente o recorde está em 1,5 km. Depois disso é só birra e mau feitio :(

    1. Que idade tem? Quanto mais velhos pior e o ideal é começar cedo. A minha com 3 anos ninguém a parava, com 4 fez 5 km e com 5 fez 8km sem piar… mas mais tarde nesse ano programámos uma caminhada de 12 e em todas as subidas ela teve de ir às cavalitas. Foi um inferno. Vamos ver como corre agora com as duas.

      1. Tem 4, quase 5. E ainda por cima é uma criança super activa, não pára quieto 5 minutos, pelo que sempre pensei que ia aderir a estes programas na boa. Mas não, raça do miúdo, que ao fim de alguns metros começa logo a melgar que quer voltar para ir brincar(?!). O mesmo se passa com andar de bicicleta. Fica lá em cima, e ao fim de uns minutos brinda-nos com um “já posso descer?”Mas ainda não perdi a esperança, porque gostava muito que ele nos começasse a acompanhar nas caminhadas (até porque agora tem sido a nossa terapia, depois de um longo período de inactividade forçada). Se já existe essa dinâmica familiar, acredito que consigam fazer esse upgrade na boa :)´. Vai postando as vistas das tuas caminhadas, quem sabe se não tenho umas parecidas para a troca ;)

        1. Excelente ideia. Estou ansiosa pela Primavera!
          Pois essa idade é quando começam a ter ideias próprias quanto a estas actividades. A minha também é super activa mas, nas caminhadas, se for em estradão florestal quer parar por tudo e por nada… Viu uma pedra gira, quer apanhar amoras, quer fazer um ramo de flores, quer pôr as mãos no rio… se o percurso for mais acidentado, vai aos saltos e repara menos no tempo e na distância a que estamos a andar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.