Tony Hawk e o preço dos combustíveis


Ando de transportes públicos mas preciso de combustível para as viagens por isso vou à biblioteca e arrebanho livros. É mais ou menos como ir à bomba do Jumbo mas sem as filas. Desde que me leve até ao trabalho e me faça poupar uns trocos, não quero saber se o combustível é de qualidade inferior. Vou de fugida aos sábados de manhã e não tenho sido esquisita. Arrebanho três ou quatro livros e, com alguma sorte, dois serão tragáveis (os outros dois, papo-os na mesma, que a fome é negra).
Poderia dizer, e direi certamente noutra ocasião, muitas coisas sobre esta técnica de selecção literária, mas o que interessa hoje é admitir que a maior parte das vezes são as capas a falar mais alto. E aqui que nos enervamos.
Salvo raras excepções, as capas dos livros neste país são uma seca e isto quando não são feias mesmo. Não é por virem carregadinhas de vernizes UV, relevos e pantones metalizados que a coisa melhora. São más, previsíveis, sem imaginação. E as mais das vezes induzem o leitor a erro. Já trouxe muito Orange prize ao engano a pensar que vinha ali obra de vulto, tal o investimento gráfico na capa.
E agora isto. Estão a ver o livrinho lindo ali de cima? Cá no burgo temos uma coisa assim:

Evitei pegar-lhe durante muito tempo, apesar do autor me ser simpático, porque a capa diz que o livro é para adolescentes. Esta semana venceu-me por cansaço e peguei-lhe. Acabei de o ler há pouco. Não sendo lá essas coisas, é uma história levezinha, divertida, e de facto juvenil,  mas que por estes motivos e mais alguns, merece muito mais a capa de cima do que esta última.

Moral da história: Se não quiserem ficar a saber tudo, mas mesmo tudo, sobre o Tony Hawk Pro-Skater (para mim este é o nome completo do homem), não lhe peguem. Nem na versão bonita, que se há coisa que uma boa capa ainda não faz é melhorar o interior.

Be Sociable, Share!

12 comments

  1. Rachelet

    Também tenho dificuldade em trazer livros de capa feia, normalmente, aquelas antiguinhas dos Livros do Brasil e da Europa-América passam-me todas ao lado. Mas naqueles casos em que quero mesmo ler determinada obra, fico sempre a lançar uma censura à gráfica e ao designer que compôs aquela atrocidade de capa – sim sim, sou das que não começa um livro sem decompor a ficha técnica.

    • Alexandra

      Ai é que está… não é sobre a vida de um skater, não é nenhum puto delinquente, nem há o mais leve vislumbre de arame farpado na história. É como se fizessem um livro sobre a minha vida actual com uma capa estilo livro de horas medieval só porque eu gosto de história

  2. Vic

    Oh pá os livros do Nick são sempre dignos de capas melhores.
    Lembras-te das capas da colecção Vampiro? As mais antigas? Essas sim, eram verdadeiras obras de arte. :)

  3. W

    Se é sobre o THPS não quero porque passei muitas horas da minha adolescência a jogar os primeiros jogos da série e com a curiosidade fiquei a saber mais sobre o homem do título. Aliás, o meu skater favorito nem é o TH mas sim o Rodney Mullen :P (video de 2 minutos – http://www.youtube.com/watch?v=PcbCCFb0zXI)

    Costumo fugir de capas cheias de brilho… até agora tem resultado. (tambem nao leio por aí além)
    O pior livro que li nos ultimos tempos veio através de um concurso facebookiano por isso não me queixo… muito!

Post a comment

You may use the following HTML:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>