Uma cauda invisível

A semana passada celebrei trinta e cinco anos de vida e um de blog. Esta coincidência temporal não é fruto do acaso. Há um ano, ao repetir de mim para mim o número trinta e quatro, senti que me faltava o ar. Já? Como é que isto aconteceu? Pensei em tudo o que fiz e em tudo o que não fiz e, mesmo inspirando com força, não consegui alívio. Comecei este blog no dia seguinte. Chamemos-lhe traqueotomia auto-inflingida, se quisermos ser todos um bocadinho cromos das séries de TV (e queremos!).
Foi muito bom para mim este meu respiradouro. Como me sentia pequena, aqui fiz-me grande. Vocês foram bondosos o suficiente para acreditarem. Como estava farta de meias-palavras, pus-me a esbanjá-las inteiras. Vocês aturaram-me. Deixei de ter medo de muitas coisas. Vocês encorajaram-me. E foram tantos, tantos. Discretos e indiscretos, tagarelas e silenciosos. Maravilhosos, todos.
Comecei de novo a respirar a pouco e pouco e houve dias em que o fiz mesmo em grandes golfadas. Com este meu tubinho de snorkl, fui parte de um grande cardume e por vezes nadei com os peixes graúdos, que tinha aprendido a admirar de longe. Nasceu-me até uma cauda de sereia, ainda que só eu a veja.

Obrigado a todos. Soube-me tão bem.

———————

Quanto à sereia que escolhi para ilustrar este momento de pura lamechice blogosférica, ficam a saber que é do William Waterhouse, que eu adoro, e quem achar os pintores pré-rafaelitas pirosos pode ir dar uma volta a um fashion blog.

34 comments

  1. a.i.

    Eu também nasci no mesmo ano que tu, mas uns meses depois, por isso não nos cruzámos no hospital. Mas ao ler-te acho que nos cruzámos pelo menos nos mesmos programas escolares, nas mesmas referências de infância e adolescência. Gosto muito do teu tom altaneiro (altivo justificado). E claro, espanto-me sempre que aqui venho com as referências de arte. e gosto de sentir que sou ignorante e que venho aqui aprender umas coisitas, enquanto me rio do que escreves. Obrigada por não gostares de amarelo e continua!

  2. Uena

    Parabéééns! Pelos trinta e cinco e pelo um :D
    Foi em Maio que cá apareci, encaminhada pela Sue e gostei muito. Continua a respirar e a nadar com o cardume.
    Quando for grande quero ser como tu! eheh

    A sereia é qualquer coisa awesome! :O

      • Tolan

        O ser nova não interessa para nada e uma depressão é muito fácil de arranjar :) basta tomares decisões erradas em catadupa e precipitar a tua vida no caos, ser alcoólica etc. easy ;)

        • Alexandra

          Eh pá, eu não estou a habituada a tomar decisões, certas ou erradas, isso ainda me corria bem e depois como é que era? E o álcool, tens de convir que não tem muito glamour ser viciada em capirinhas e sangrias. Eu tentei, juro, mas tenho de deixar os uísques para ti e para o Bukowsky.
          :)

Post a comment

You may use the following HTML:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>